Matemática 2011-2013

Subprojeto da Licenciatura em Matemática
Coordenador de Área do Subprojeto:
Alessandro Jacques Ribeiro
Supervisores:
  • Professora Daniele Rocha
  • Professora Maria de Fátima Marrinhas
Bolsistas:
  • Caroline Miano Lima
  • Inara Moreira Ananias
  • Jefferson Faria de Souza
  • João Felipe Serafim Malaquias
  • Maiza Hyodo dos Santos
  • Rafael do Nascimento Galeano
  • Thiago Augusto Bento
Plano de trabalho

Pretende-se apontar neste plano de trabalho as principais motivações e inquietações que deflagraram a proposição deste subprojeto, bem como apresentar alguns de seus objetivos específicos.

Há muito se discute o quanto as salas de aula de Matemática podem ser um espaço bastante propicio para o surgimento de idéias e discussões acerca dos significados que os “assuntos” da Matemática podem assumir. Entretanto, muitas vezes tais situações nem sempre são compreendidas pelos alunos ou mesmo exploradas pelos professores. Correndo o risco de ser injusto, arriscaria dizer que, muitas vezes, elas sequer são consideradas como legitimas na construção do conhecimento matemático. Em diversas áreas das ciências o estudo dos significados tem sido considerado e contemplado desde longa data. Em Filosofia por exemplo, pode-se observar indícios desta preocupação nos estudos de Frege – que fazia uma distinção entre significados e referentes – ou nos de Wittgenstein – que relacionava os significados aos seus usos. No âmbito da Educação Matemática em especial, diferentes significados podem e, na maioria das vezes, devem ser discutidos nas aulas de matemática (KILPATRICK, HOYLES, SKOVSMOSE, 2005). Tais discussões podem possibilitar assim a ampliação daqueles significados que se fazem presentes nas idéias, ações e discursos de alunos e de professores. Há de se considerar ainda que, quando nos referimos aos processos de ensino e de aprendizagem de Matemática, certamente deve-se contemplar significados da matemática pura, significados da matemática escolar, significados do senso comum, entre outros. Em síntese, essas primeiras discussões parecem apontar para o surgimento de dois importantes elementos a serem considerados quando dos processos de ensino e de aprendizagem em matemática: a heterogeneidade de significados e o ambiente onde tais significados estão imersos.

Nesse contexto se inserem os objetivos deste projeto, o qual pretende considerar, de forma articulada, a formação inicial e continuada do professor num ambiente de trabalho colaborativo (GAMA, R. P., FIORENTINI, D., 2009; GAMA, R. P., FIORENTINI, D., 2008) . Esse ambiente deve incluir alunos, escolas e universidade. A proposta de se buscar diferentes significados de conceitos matemáticos na prática da sala de aula e na colaboração entre os atores que compõem tal cenário, pode romper com a dicotomia entre teoria e prática na formação do professor. Tal proposta pode ainda (1) possibilitar um rico ambiente de reflexão na/sobre a prática do professor e (2) possibilitar uma ampliação/aprofundamento da concepção de Matemática ligada ao “dia-a-dia”, quando a mesma está inserida num ambiente de resolução de problemas. Por fim, apresenta-se como objetivos para consolidação do subprojeto:

  1. Investigar diferentes significados de conceitos matemáticos nos processos de ensino e de aprendizagem de Matemática, no âmbito dos Ensinos Fundamental e Médio;
  2. Desenvolver e explorar atividades matemáticas que contemplem os diferentes significados dos conceitos matemáticos utilizando-se, por exemplo, de uma metodologia de resolução de problema e/ou de investigações matemáticas;
  3. Possibilitar aos alunos da Licenciatura em Matemática a interlocução com alunos dos Ensinos Fundamental e Médio, e seus professores, inserindo os assim no lócus das escolas públicas. Possibilitar ainda que esses futuros professores reflitam sobre suas ações na e para a prática do exercício do magistério, bem como de seu desenvolvimento na pesquisa;
  4. Formar um grupo colaborativo entre os alunos da licenciatura, os professores das escolas conveniadas e os docentes/pesquisadores da universidade para (re)iniciar processos de formação continuada.